Roteiro de 3 Dias em Bonito: As Principais Opções para sua Viagem!

A cidade de Bonito (MS), a 297 quilômetros de Campo Grande, é um dos destinos mais espetaculares que você poderá visitar no Brasil se a ideia é ter uma integração total com a natureza. Então, que tal aproveitar um roteiro de 3 dias para curtir ao máximo esse local maravilhoso?

Repleta de paisagens exuberantes, rios de águas cristalinas e cachoeiras, a cidade tem praticamente todos os passeios dedicados ao turismo ecológico. Há um sem número de opções, e por isso hoje vamos mostrar o que fazer em Bonito num roteiro de 3 dias. Será, sem dúvida alguma, uma experiência incrível.

Antes de mais nada, vale destacar que os atrativos da cidade vão exigir um pouco de fôlego de você. Apesar de parecerem poucos, 3 dias em Bonito bem aproveitados podem tornar sua viagem cansativa. Mas, acredite, é isso mesmo que você irá querer ao fim do período.

Entre as sugestões para roteiro de 3 dias em Bonito, vamos incluir passeios por grutas e sugerir diferentes opções para atividades semelhantes, como banhos de cachoeira. Afinal, lugares para isso é o que não falta.

E você já sabe: se já teve a oportunidade de fazer um roteiro de 3 dias em Bonito e optou por uma viagem com passeios diferentes, deixe seu relato na nossa caixa de comentários!

Vamos lá?

Roteiro de 3 dias em Bonito

Dia 1: flutuar no Rio da Prata, visitar o Buraco das Araras e conhecer a história da região

Manhã

Flutuação no Rio da Prata
Fonte: Marcio Nel Cimatti (Flickr)

Não importa se você quer um roteiro de 3 dias em Bonito ou se vai ficar na cidade por uma semana: um dos passeios obrigatórios tem de incluir flutuação em algum dos lagos ou rios de águas claras da região.

Já falamos sobre as melhores flutuações em Bonito em outro artigo, e por isso hoje vamos sugerir apenas uma delas: a do Rio da Prata.

Caso você não saiba, flutuação é quando você coloca uma roupa de neoprene, snorkel e colete salva-vidas para ficar voltado de barriga para baixo observando o fundo dos rios.

A do Rio da Prata é uma das mais famosas do estado. O lado um pouco incômodo é que fica um pouco afastada da cidade. Assim, o ideal é alugar um carro para encarar a viagem de cerca de 36 quilômetros de Bonito até lá.

O principal destaque da flutuação no Rio da Prata é a grande quantidade de peixes que você conseguirá observar. Há dos mais diversos tipos e tamanhos, como cascudos, curimbatás, dourados, pintados, pacus, piaus e piraputangas.

A flutuação é indicada para adultos e crianças a partir dos seis anos. Existe ainda a opção de se fazer um roteiro diferenciado para idosos e crianças pequenas.

É importante destacar que a flutuação no Rio da Prata tem o trajeto mais longo e mais demorado que as demais. O percurso todo leva três horas, meia hora a mais do que aquele do Rio Sucuri e três vezes mais do que o da Nascente Azul, para ficarmos em dois exemplos de passeios igualmente famosos.

Por isso, procure ir bem cedo para poder aproveitar ao máximo o restante do dia. Afinal, três dias passam rápido, não é mesmo?

Tarde

Buraco das Araras
Fonte: Cristian Malevic (Flickr)

Já que você estará pelo Rio da Prata, uma ótima opção para ir na sequência é o Buraco das Araras, que fica em área próxima.

O  Buraco das Araras nada mais é do que uma das maiores dolinas (depressão circular em forma de funil) do mundo! Ela tem aproximadamente 100 metros de profundidade e 500 metros de circunferência. É, literalmente, uma imensidão de beleza.

A visita inclui uma caminhada de nível fácil por uma trilha de cerca de um quilômetro. Nesse percurso, você passará por duas plataformas para observação da dolina.

O passeio se dá em uma área de preservação. No total, são 100 hectares de cerrado, dos quais 29 são destinados a uma Unidade de Conservação Federal.

O tour pelo Buraco das Araras conta com ótima infraestrutura. Ele inclui receptivo, loja para aquisição de produtos e lembranças da região, banheiros e área de café. E, mesmo estando em meio ao cerrado, pode ficar tranquilo: há wifi disponível para você dar aquele check in e postar aquelas fotos em tempo real!

Para completar, o passeio conta com o acompanhamento de guias e monitores especializados, que dão orientação inclusive em inglês.

Noite

Casa da Memória Raída
Fonte: Casa da Memória R (TripAdvisor)

A capital do ecoturismo no Brasil precisa ter seus dias dedicados a ele, não é mesmo? Mas, que tal tirar uma noite de sua viagem de 3 dias em Bonito para conhecer um pouco da história da região e de seus principais personagens?

É exatamente a isso que se propõe a Casa da Memória Raída. Localizada no centro da cidade de Bonito, ela serve como ponto para se ver fotos e ouvir contos que remetem aos costumes daquele canto do Mato Grosso do Sul.

A Casa da Memória Raída é um museu de contação de história bem no centro da cidade. O local funciona de terça a sábado, entre 19h e 22h, e fará sua viagem de turismo se transformar também em um passeio cultural.

Alternativas

Flutuação na Lagoa Misteriosa
Fonte: Lucas Marinho (Flickr)

Como alternativa para este primeiro dia, você pode trocar um dos passeios por outro, na Lagoa Misteriosa. Ela fica, aliás, na mesma propriedade do Rio da Prata.

Essa alternativa, porém, só é possível se você estiver em Bonito entre os meses de abril a setembro. O motivo é que, nos demais períodos, a coloração e a visibilidade da água da Lagoa Misteriosa sofrem alteração devido à alta temperatura, o que atrapalha a experiência dos visitantes. Por isso, a visitação à lagoa nem sequer é permitida.

No período em que ela fica aberta à visitação, contudo, o espetáculo é indescritível.

A Lagoa Misteriosa recebeu esse nome porque ninguém sabe até hoje qual é a sua profundidade. O maior registro feito aponta para 220 metros. Sabe-se, no entanto, que ela vai além disso.

A lagoa tem suas laterais formadas por grandes paredões verticais, e sua nascente vem de lençóis subterrâneos. Tudo isso faz com que ela seja apontada como uma das mais profundas cavernas inundadas do Brasil.

A duração da flutuação por lá é de cerca de duas horas, mas se você quiser pode optar por um “mergulho batismo”, daqueles em que o snorkel é substituído pelo cilindro.

O mergulho batismo é destinado a quem nunca praticou a atividade, e por não ser muito profundo não exige apresentação de credencial.

Dia 2: banho de cachoeira na Serra da Bodoquena, visita à Boca da Onça e Projeto Jibóia

Manhã

Cachoeira Serra da Bodoquena
Fonte: evanfer (Flickr)

Se estiver hospedado em Bonito, saia cedo do hotel e faça o percurso de 70 quilômetros até a Serra da Bodoquena. Mais uma vez, a dica é alugar um carro para economizar no transporte.

Por lá, você poderá fazer o Passeio de Trilha com Cachoeiras da Serra da Bodoquena.

Não é um passeio dos mais levinhos no começo, mas, acredite, vale muito a pena.

De início, você fará um percurso de 2,5 quilômetros pela mata. Trata-se de uma trilha leve, mas não deixe de ir com calçados confortáveis – tênis, de preferência. Lembre-se que você está recém chegando à metade da sua viagem, e ninguém quer passar os dois últimos dias com bolhas nos pés

O trajeto inclui passagem por cachoeiras e piscinas naturais. Ao todo, são oito paradas para banho. Além disso, o passeio inclui uma volta de bote pelo Rio Betione.

O atrativo conta com balneário, tirolesa, quiosque e cadeira para descanso – ou você pode descansar dentro da piscina mesmo.

Se estiver em forma e muito pique, também pode jogar vôlei em uma quadra de areia. O importante é aproveitar bem o passeio.

Tarde

Boca da Onça
Fonte: 1001 Dicas de Viagem (Flickr)

Depois de curtir a manhã nas cachoeiras da Serra da Bodoquena, no caminho de volta a Bonito você pode parar na Boca da Onça. A ideia é a mesma, com trilha e cachoeira. Mas e se dissermos que a maior queda d’água do Mato Grosso do Sul fica por lá? E que você pode incluir, ainda, uma descida de rapel de 90 metros?

A Boca da Onça é a maior cachoeira do estado, com 156 metros de altura. E é lá pertinho que você poderá descer naquele que é apontado como o maior rapel do Brasil!

A descida é ao mesmo tempo radical e segura. Para não causar danos às pedras de calcário que formam o paredão, foi construída uma estrutura metálica de 34 metros de comprimento, dos quais 15 avançam pelo precipício. Assim, o rapel é feito em negativo, sem o apoio dos pés. É descida livre!

As atividades são totalmente seguras. Tudo o que você precisa é ter uma dose extra de coragem. Mas, acredite, uma descida dessas tem tudo para ser o ponto alto de uma viagem que por si só já é um espetáculo.

Noite

Projeto Jibóia
Fonte: alexandre Barreto da silva (Flickr)

O dia foi puxado. Viagem até a Serra da Bodoquena, descida de rapel… Dois dias de passeios nesse pique requerem descanso. Mas, num roteiro de 3 dias em Bonito, você pode descansar aproveitando um programinha mais leve. Não precisa ficar no hotel.

Uma dica muito legal que podemos dar é ir ao Projeto Jibóia. Ele acontece todos os dias, entre 19h e 21h. Lá, você aprenderá muito sobre espécies de cobras não peçonhentas, fazendo um tour para conhecer os diversos tipos. Poderá até mesmo interagir com elas.

A ideia é mostrar como esses animais silvestres também são inofensivos. Às vezes, muitas cobras acabam sendo mortas por mera desinformação das pessoas. Vale muito a pena conhecer o projeto, que é realizado com total segurança aos visitantes e que, mais uma vez, irá enriquecer seu conhecimento.

Alternativas

Parque das Cachoeiras
Fonte: Ricardo Zaviasky (Flickr)

Já que o dia foi dedicado às cachoeiras, você pode substituir um dos passeios pelo Parque das Cachoeiras. Ele fica mais próximo, a apenas 17 quilômetros de Bonito.

O percurso por uma trilha se estende por 1,8 quilômetro. Há sete paradas para banho, seja em cachoeiras ou piscinas naturais do Rio Mimoso.

Na Cachoeira da Carretilha você pode saltar no rio a partir de uma carretilha.

E se você estiver por lá na hora do almoço, pode aproveitar um almoço típico do Mato Grosso do Sul na sede da fazenda que abriga o Parque das Cachoeiras.

Dia 3: conhecer a Gruta do Lago Azul, ir à Estância Mimosa e ver os peixes no Aquário de Bonito

Manhã

Gruta do Lago Azul
Fonte: bbbbolita (Flickr)

O passeio pela Gruta do Lago Azul é um dos mais famosos de Bonito. E deixamos para o último dia por uma razão simples: trata-se do cartão-postal da cidade. Vale a pena sair com essa lembrança.

Ela foi descoberta há quase um século, em 1924. Atualmente, a Gruta do Lago Azul é considerada uma das mais importantes cavernas do patrimônio espeleológico nacional e um dos mais importantes atrativos naturais de Mato Grosso do Sul. Ela é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Como o nome sugere, trata-se de uma caverna alagada cujo tom azul advém da incidência dos raios solares.

A gruta fica a 21 quilômetros de Bonito. Para se chegar até ela, é preciso caminhar por uma trilha de 200 metros e, na sequência, descer por uma escadaria de 300 degraus!

Apesar disso, quem já foi assegura que a caminhada é feita lentamente e, dessa forma, se torna acessível a pessoas de todas as idades, inclusive os mais velhos.

Todo o percurso é feito na companhia de um guia. Para visitar, você precisa obrigatoriamente estar calçando tênis. Aconselha-se levar ainda repelente e protetor solar.

Tarde

Estância Mimosa
Fonte: José Luiz Gonzalez (Flickr)

A Estância Mimosa oferece praticamente tudo o que você busca em seus passeios em Bonito – e mais um pouco. O destino oferece trilhas – são 2,8 quilômetros -, belas cachoeiras e oportunidades para observar aves da fauna do estado.

O passeio pela Estância Mimosa inclui um circuito por nove cachoeiras. Ao todo, são dez paradas para banho, duas delas com plataformas de salto. O local oferece ainda quatro mirantes, para você não perder nenhum detalhe.

Tudo isso acontece na companhia de um guia, que faz o trajeto acompanhando pequenos grupos.

Acrescente a isso um peculiar ambiente de fazenda, com passeios a cavalo e comida típica do Mato Grosso do Sul – ah, e preparada no fogão a lenha.

É na Estância Mimosa, também, que você terá a oportunidade de degustar uma iguaria indicada por dez em cada dez visitantes: o doce de leite!

Noite

Aquário de Bonito
Fonte: Sergio Falcetti (Flickr)

Que tal fechar o roteiro de 3 dia em Bonito com um programa capaz de agradar à família toda, e com um dos passeios mais sossegados da sua viagem?

O Aquário de Bonito reúne espécies da região e do Pantanal. Ao todo, são mais de três mil peixes em exposição, alguns dos quais bastante raros.

E olha que interessante: no fim, ainda dá pra fazer a última de suas flutuações em Bonito diretamente lá do Aquário. Não é demais?

Alternativas

Balneário Municipal
Fonte: Jair Junior (Flickr)

Uma boa alternativa para o terceiro dia é aproveitar o Balneário Municipal. Ele fica a apenas seis quilômetros de Bonito.

O balneário, aliás, é uma ótima opção para qualquer um dos dias. Faça dele um curinga, um daqueles roteiros que você pode encaixar quando não estiver muito disposto a encarar um dia com horários a seguir.

O local oferece grande infraestrutura. Se você quiser, pode reservar uma das churrasqueiras e levar carne, outros alimentos e bebidas em lata para o churrasco.

Também tem a opção de comer em um dos vários restaurantes ou lanchonetes à disposição.

A ideia do balneário é ter um dia agradável, sem pressa e sem nada muito “encaixotado”. Quer dar um mergulho de leve ou fazer um bóia cross? Tem o Rio Formoso à disposição. Quer observar os animais da fauna local? Tem diversas opções. Quer bater uma bolinha ou simplesmente tomar sol? Também pode.

E se sobrar tempo, outro atrativo famoso de Bonito é o Aquário Natural. A nascente é o seu maior destaque, com flora aquática diversificada e belos cardumes de piraputangas. A visibilidade da água é muito boa. Além disso, no Aquário Natural é possível descer de tirolesa e observar animais.

Agora que você já tem o roteiro de 3 dias em Bonito, é só fazer as malas e aproveitar a viagem!

Confira também: A famosa Gruta de São Miguel (aqui). Nosso e-book pode ajudar na organização de sua viagem também.